Pedais Essenciais

Há muitas opções de efeitos, por isso é difícil saber quais são os pedais essenciais quando você está construindo sua pedalboard de guitarra. Não importa se você está apenas começando ou se está tentando, como eu, simplificar sua pedaleira enorme, esse artigo ajudará você a restringir essas opções e a focar em tocar guitarra.

Conforme os anos foram passando enquanto eu tocava U2 e para me adequar a qualquer cenário musical, meu equipamento foi aumentando cada vez mais, racks, pedais, controlador MIDI, etc., mas conforme rodava em ônibus, vans e aviões e, muitas vezes, não voltava inteiro para casa, aqueles “brinquedos” passaram a ser uma fonte de problemas. Agora que estou em férias sabáticas da U2 Alive! resolvi que era hora de simplificar e manter apenas o essencial.

Definindo prioridades

Timbres de guitarra podem ser resumidos a quatro timbres básicos:

  1. Limpo
  2. Sujo ou distorcido
  3. Modulações
  4. Delay

Quando percebi isso, fui capaz de escolher melhor meus pedais e montar uma pedaleira que chamei de “coringa”.  Essa pedaleira contém: Afinador, Compressor, Overdrive, Distorção, Chorus, Delay e um Trêmolo.

Costumava achar que precisava de “50 tons de distorção”, desde um sutil Overdrive até a distorção mais insana. Agora só me permito usar as duas distorções e suas combinações.

As modulações podem ser desde um Phaser, Flanger ou Chorus até um Univibe ou qualquer outro efeito que faça esse tipo de firulas. É muito divertido experimentar esses timbres no estúdio, mas ao vivo essas sutilezas não são percebidas pelo grande público.

O Chorus é minha primeira escolha. Afinal, acredito ser a modulação mais utilizada, além de ser versátil e soar muito bem desde em músicas dos anos 60, como em Hendrix e Beatles, até distorções marcantes como as de Zakk Wylde. Ele também pode substituir o Phaser, como o próprio David Gilmour fez ao substituir o Phaser original de “Shine On You Crazy Diamond” por um Chorus no álbum ao vivo “Delicate Sound of Thunder”. Pode também soar como um Rotary Speaker se você souber fazer o ajuste certo. Aliás há uma modificação feita pelo Junior Rossetti da JRMod que é perfeita para isso, mas falaremos sobre modificações numa próxima matéria.

Como já fui músico de country e tive uma banda cover de Creedence, acabei me acostumando a usar o Trêmolo, que continua sendo um efeito muito interessante e sutil, não tão “molhado” quanto o Chorus.

Se Wah é o seu barato, se precisa tocar Metallica ou temas policiais dos anos 70, coloque um em sua mochila. Adoro o trabalho de Wah de Steve Vai em Eat & Smile, quem sabe aparece a oportunidade de fazer algo parecido? O mesmo em relação ao Whammy.

Sentia falta da época da minha banda de som próprio, quando eu usava apenas compressor, Overdrive, pedal de volume e Delay. O Pedalboard menor não só me poupa um monte de preocupações e incômodos na estrada, como também me ajuda a desenvolver meu próprio timbre e estilo.

Quando atuava ou fazia substituições em bandas cover, eu costumava querer soar como quem tocou na gravação original, agora eu só quero soar consistentemente bem. Ter menos opções de timbre obrigou-me a recriar minha própria personalidade.

Sugestões de pedais:

Overdrive

Ibanez TS-9

Ibanez Tube Screamer. Usado em gêneros musicais que vão desde o Country, Blues até o Metal. Este pedal esteve, provavelmente, em mais shows e gravações que qualquer outro pedal de distorção.

Boss SD-1

Outra opção é o BOSS SD-1, meu pedal preferido de Overdrive se meu set for reduzido a apenas um pedal de Overdrive/distorção. Mais versátil que o Tube Screamer, porém mais agressivo, por isso uso o TS em configurações com dois pedais para ter uma variação maior de ganho.

Distorção

Proco Rat

Proco Rat Whiteface. É um clássico! Super versátil, vai desde um Overdrive, passa pelo high-gain até chegar ao Fuzz. Fácil de lidar, nervoso e único. Não tem erro! Diz a lenda que a banda Ratt tem esse nome por causa desse pedal.

Boss DS-1

Outra opção é o famoso Boss DS-1. Amado e odiado, não estaria sendo fabricado desde o final da década de 70 se fosse ruim. O segredo está em manter o tone por volta de 9h.

Delay

Boss DD-7

Boss DD-3, DD-7 ou, se tiver espaço e puder pagar, o DD-500, que é uma ótima relação custo-benefício. Se o Slash usa, por que não seria bom para você? Escolhi o DD-7 porque é prático e tem o recurso de tap tempo. Com esse recurso posso trabalhar os delays de acordo com os andamentos das músicas, imprescindível para tocar U2, por exemplo.

Trêmolo

Boss TR-2

O Boss TR-2 é um clássico e uma ótima relação custo-benefício.

Compressor

MXR Dynacomp

Tenho o Boss CS-2 desde minha adolescência, mas prefiro o MXR Dynacomp por ter um timbre mais “amadeirado”.

Chorus

MXR Analog Chorus

Alterno entre o Analog Chorus da MXR, Boss CE-5 Chorus Ensemble, Boss CH-1 Super Chorus e um Boss CE-2B modificado pela JRMod.

Conclusão

Minhas sugestões são de pedais que uso e que me atendem há anos. São clássicos porque eu também já sou vintage, mas você pode substituir por outros similares de sua preferência.

Dúvidas e perguntas podem ser enviadas para o e-mail lucianomenezes777@outlook.com com o assunto Pedais Essenciais.

Aulas por Skype

Luciano Menezes

“Existem dois fatores importantes para que o aluno tenha um bom resultado, seja pelo Skype ou presencial: um bom professor com um bom método e dedicação ao estudo.”

Skype ID: lucianogt777

Uma alternativa para aqueles que querem aprender guitarra no conforto de sua casa, sem o stress do trânsito e do deslocamento, é o uso do Skype. É um Continuar lendo

Filosofia de Ensino

Luciano Menezes é professor desde 1991 e acredita que seu papel é ajudar o aluno a desenvolver sua própria personalidade, descobrir seu próprio caminho e então ajudá-lo a mover-se naquela direção. Ajudá-lo a tirar vantagem de suas características pessoais, usando seus pontos fortes para compensar suas fraquezas e transformar suas fraquezas em pontos fortes e assim ser capaz de fazer sua própria, e única, música.

Citação favorita: “Não há nada melhor que viver a música com a qual você se identifica. Melhor que ouvir o que gostamos é fazer com que ela saia de nossas próprias mãos.”

Luciano Menezes é guitarrista e professor de guitarra, violão e teoria musical em São Paulo e São Bernardo do Campo. Aulas presenciais, em domicílio e pelo SKYPE.

Facebook  YouTube  SoundCloud

Estilos Ensinados

Como performer toco principalmente guitarra rock, apesar já ter tocado uma grande variedade de estilos em minha carreira como guitarrista. Ensino vários estilos de música: blues, rock, hard e heavy rock, pop, country, fusion, etc.

Também ensino violão (nylon e aço) e, eventualmente, baixo (outro instrumento que adoro).

A guitarra tem um som diferente do violão e uma abordagem diferente, mas são instrumentos muito parecidos.

Luciano Menezes é guitarrista e professor de guitarra, violão e teoria musical em São Paulo e São Bernardo do Campo. Aulas presenciais, em domicílio e pelo SKYPE.

Facebook  YouTube  SoundCloud

Desenvolvimento Técnico Inicial (artigo)

Acredito que o mais importante a ser desenvolvido num músico iniciante é uma técnica sólida. Isso lhe trará benefícios tais como um timbre excelente, uma pegada ótima e liberdade para a escolha de repertório, já que estará apto a tocar qualquer música com qualidade. Por isso há uma ênfase maior nesse aspecto no início para depois ocupar o status de apenas exercícios para aquecimento das mãos.

Continuar lendo