Biografia

INÍCIO

Nasci em São Paulo – SP em 1967. Minha educação musical começou em 1983, com 16 anos, quando comecei a tocar violão popular. Em 6 meses passei para o violão erudito. Com 17 anos troquei o violão pela guitarra e passei a ser autodidata, procurando conhecimento sobre harmonia e composição. De 1988 a 1990, tive aulas com Paulo Gomes. Do final de 1991 ao início de 1994, tive aulas com Mozart Melo. Após esse período, tive aulas com Conrado Paulino. Também tive aulas de arranjo (com Wilson Cúria), percepção, harmonia e história da música.

No início, rapidamente me identifiquei com alguns músicos e bandas que me inspiravam a tocar melhor e procurei atingir seu nível de habilidade. Minhas influências iniciais foram Ace Frehley, Matthias Jabs, etc. Passado algum tempo procurei me adaptar à velocidade e estilo melódico de músicos como Ritchie Blackmore, Steve Vai, Tony Macalpine e Steve Morse, sendo Yngwie Malmsteen e Eddie Van Halen, minhas influências mais marcantes na área de rock. Conforme amadureci musicalmente, passei a expandir meus horizontes e a buscar novos estilos, obtendo influências também em Al DiMeola, Frank Gambale, Scott Henderson, Allan Holdsworth, Pat Martino, Pat Metheny, etc.

BANDAS

Auto-Estrada e Master’n’Slave

Em 1984 fiz parte da banda de covers de Hard Rock e Heavy Metal intitulada Auto-Estrada cujo repertório incluía Scorpions, Led Zeppelin, Twisted Sister, etc.

No final de 1985, eu, Mauricio Nishiyama e Marcelo Menon, formamos a banda de som próprio Master ‘n’ Slave. Em Jan de 1987, quando terminou, a banda era formada por Luciano Menezes – guitarra, Mauricio Nishiyama – baixo, Jude Bangalan – vocais e Marcos Ramalho – bateria. A banda durou pouco mais de 2 anos, porém teve algumas composições que considero bastante interessantes, entre elas “Blood in Orient” que, em 1992, tornou-se instrumental e passou a chamar-se “Superimpositions”.

Trabalho Solo

Entre 1992 e 1993 dei sequência ao meu trabalho solo junto com Maurício Leite (bateria), Odilon de Carvalho (baixo) e Sergio “Urso” (vocais), nessa época também veio a música “Star”.

U2 Alive!

Em 1994 fui indicado por Mozart Melo e Flávio Gutok para fazer parte da banda de cover específico do U2 (U2 cover) que veio a se chamar U2 cover Alive!.

Os componentes originais eram: Luciano Menezes (guitarra, vocais, piano e programação do sequencer), João Marques (vocais, violão e gaita), Philippe Tillier (vocais, produção artística e baixo) e Abel Marques (bateria, percussões e vocais).

Na época, outras bandas faziam cover do U2, mas não se preocupavam com uma reprodução fiel e tinham mais componentes que o U2 para tentar reproduzir o som da banda original. Me identifiquei com a U2 Alive! porque o conceito era ser o mais fiel possível ao original, então tivemos a ideia de programar um sequencer com algumas bases pré-gravadas, assim como o U2 faz. Dessa forma, apesar de ser tecnicamente mais difícil, podíamos contar com apenas 4 componentes como o U2 original. Podíamos ser mais fiéis ao visual e, principalmente, ao som do U2.

Vale a pena ressaltar que nunca capturamos partes das gravações originais. Não usamos áudio original, não dublamos nada e tudo foi tocado e programado por nós. Durante o show controlo o sequencer utilizando pedais. Tudo o que os integrantes do U2 tocam ao vivo, nós também tocamos.

California Country e Filhas de Xerife

Em 1996 dediquei-me ao estudo da música country tocando com a banda California Country. Em setembro de 1997 desenvolvi composições próprias com a banda As Filhas do Xerife.

U2 Brasil

No final do ano de 1997, através de um encontro patrocinado por Gustavo Carvalho do fã clube “U2 Brasil”, Éverson Cândido uniu-se à U2 Alive!. A união surgiu do sonho do fã-clube de juntar o melhor, como eles consideravam, das melhores bandas de cover do U2 no Brasil: a “U2Cover de São Paulo” (melhor vocal) e a “U2 Alive!” (melhor instrumental) numa festa que aconteceria em Porto Alegre-RS. A intenção era produzir uma mini-PopMart numa comemoração de fãs pelo fato do U2 estar vindo ao país pela 1ª vez.

A festa não aconteceu, mas a nova banda, batizada pelo fã-clube como U2 Brasil, fez sua estréia em 31 de janeiro de 1998, num dos eventos envolvidos com a vinda do U2, no Gitana (do ator Christopher Lambert) em São Paulo.

Com o passar dos anos a U2 Brasil foi se distanciando da proposta com a qual me identificava. Os integrantes da banda foram sendo substituídos e logo não restava mais nenhum componente da U2 Alive! original além de mim. Por esses e outros motivos, acabei deixando a U2 Brasil no final de 2005.

A volta da U2 Alive!

Logo em seguida da minha saída da U2 Brasil resolvi continuar tocando U2 e reviver a U2 cover Alive! com o mesmo conceito de qualidade da U2 Alive! original. Como resultado, em 2009 a U2 Alive! foi convidada a tocar na festa oficial de lançamento do álbum “No Line On The Horizon” com o apoio e a presença da Universal Music, gravadora do U2, e em 2011 tocou na festa de aniversário de 20 anos e relançamento do álbum “Achtung Baby” também com o apoio da Universal Music e do Portal U2 Br, maior fã-site em português sobre o U2.

U2 Alive! suspende suas atividades

Em abril de 2013 a U2 Alive! suspendeu suas atividades, nesse momento a formação da banda era: Luciano Menezes (guitarra, vocais, piano e programação do sequencer), Bruno de Souza (vocais, violão e gaita, Pedro Henning (bateria e percussões) e Léo Magalhães (baixo).

 

 

 

Luciano Menezes é guitarrista e professor de guitarra, violão e teoria musical em São Paulo e São Bernardo do Campo. Aulas presenciais, em domicílio e pelo SKYPE.

Facebook  YouTube  SoundCloud

Anúncios